segunda-feira, 7 de dezembro de 2009


O Teatro Resiste!

Ontem, aconteceu no Espaço Parlapatões, o ato em repúdio a violência que sofremos na madrugada de sábado (05/12). O evento mostrou o quanto torcemos pela recuperação de Mário Bortolotto. Não esquecemos de Carlos Carcarah e Guta Ruiz, que também se feriram durante o assalto, mas passam bem.

Muito amigos estavam presentes. Convidamos alguns deles a subirem no palco, para lerem trechos de textos do Mário.

Veja algumas fotos de como foi esse grande encontro.


O Espaço Parlapatões ficou lotado de amigos.


Hugo Possolo lembrou que Mário Bortolotto é um símbolo da Roosevelt.


Walter “Batata” Figueiroa leu um texto da Fernanda D´Umbra, em que ela descreve o Mário.


Ester Laccava leu trecho do livro do Bortolotto, no qual estão complilados alguns textos do seu blog.


Nélson Peres leu um trecho da peça Postcards de Atacama de Mário Bortolotto.


Andre Cecato apresentou o clássico texto da Coruja. Trecho da peça Medusa de Rayban do Mário.


Márcio Américo lembrou de quando conheceu Mário, ainda em Londrina.


Paulo de Tharso cantou um blues que compôs com Mário.


Ivan Cabral, dos Satyros, lembrou da importância do Grupo Cemitério de Automóveis para a popularização da Roosevelt.


Muitos amigos presentes.


Ao final, Helena Cerello e Ester Laccava recolheram doações que vão ajudar a família do Mário.

Quem quiser ajudar a família do Mário Bortolotto com os gastos que estão tendo, pode fazer um depósito na conta de:
Cristiane do Carmo Viana
Banco Unibanco
agência: 0935
conta poupança: 127721-6
cpf: 004.957.939-81

4 comentários:

Anônimo disse...

Caríssimos
Aqui no rio de Janeiro repudiamos qualquer tipo de violência principalmente quando se fazem a artistas do teatro brasileiro
fica aqui o meu protesto contra essa violência absurda
atenciosamente
Rodrigo Gallo

Julia disse...

Olá, será que vocês conseguem o CPF dela? A gente faz o depósito pela internet.
Obrigada

Anônimo disse...

Marião, fica frio, não vou tirar sarro do seu Palmeiras.
Prefiro lembrar uma do Mengão que acho que você vai gostar: aquele Mengão do Zico, Júnior, Leandro, até aí beleza. Agora, você lembra do Doval, aquele argentino, centravante, doidão?!
Imagina a bola já na pequena área, muito perto do gol, média altura, uma botina de zagueiro vindo descarrilhada pra mandá-la pra outra fazenda e o argentino enfia a cabeça. A bola entra no gol, o pé do zagueiro entra na cara do Doval e ele sai, todo zoado, melado, comemorando! Golaço!
Grande Marião, vamos falando!
abraços,
Kuki

Anônimo disse...

REAÇÃO JÁ! A CULTURA PODE TRANSFORMAR
O poeta age, o dramaturgo reage e o ladrão dorme...
Sugiro que 05 de dezembro seja instituido um dia de protestos do Teatro Nacional por mais cultura e menos violência. E que vários grupos se mobilizem, pois a sociedade tem que reagir, como o Bortolotto fez. Não aceitar regras de bandidos. Sei que essa afirmação pode ser vista como um contrasenso, mas estamos cansados, de polícia corrupta e bandida e de jovens acéfalos matando para comprar tênis nike e troca celular e uns caraminguas por qualquer ilusão barata e "flits paralisantes". Chega! Só com cultura, educação e reação esse país pode transformar cabeças. Que a atitude de Mário Bortolotto seja lembrada como um libelo à ação e ao inconformismo desse quadro brutal que nos aprisiona. Reação Já! de alguma maneira, temos que conter essa barbárie.